São simples sopros que libertam pequenas palavras que me habitam

04
Mai 11
da net

Solta-se um sopro

que alcança a vida

corroída e liberta

fantasmas disformes

que repousam um colo,

uma alma,

um caminho,

um prado.

De veludo, o ser

ausente de escombros

e visitante interno

numa valsa em si,

foge.

Prende-se o sopro

entre asas brancas

moldadas em rios e

por estilhaços...frágeis

de essência.

 

autora: Eu

soprado por soprosdemar às 12:47

Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


PREMIOS
sopros passados
mais sobre mim
pesquisar sopros
 
links
subscrever feeds
sopros passados